Translate

09 fevereiro 2017

Curso de Contabilidade Básica: Olhando os grandes números; olhando as grandes variações

Uma das regras básicas de analisar as demonstrações contábeis de uma empresa é observar os grandes números. Será nas contas mais expressivas de uma entidade que estariam os aspectos mais relevantes. Outra regra, derivada desta, é prestar atenção nas grandes variações e tentar procurar respostas para estas questões. Vamos mostrar este aspecto com as informações contábeis da Cielo, uma empresa que o leitor provavelmente conhece: ao fazer o pagamento de suas compras, provavelmente estará usando uma das máquinas da empresa.

A figura abaixo é a reprodução do Balanço Patrimonial da Controladora e do Consolidado referente ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2016, em comparação com aquele encerrado em 31 de dezembro de 2015 (Fonte: http://cielo.riweb.com.br/).

Dentro da ideia de observar os grandes números, o leitor poderia iniciar verificando as três maiores contas do ativo da empresa. Comece com a coluna da controladora em 31/12/2016. Pode ser encontrado que as três contas mais relevantes são: investimentos (9,8 bilhões de reais), fundo de investimento em direitos creditórios (8,3 bilhões) e contas a receber operacionais (1,7 bilhão). Podemos fazer o mesmo para a próxima coluna, que corresponde aos dados da controladora em 31/12/2015. As três contas mais relevantes são: contas a receber operacionais (10,2 bilhões), investimentos (9,9 bilhões) e depósitos judiciais (1,3 bilhão).

Aqui nós temos a segunda regra: as grandes variações. Perceba o leitor que contas a receber operacionais diminuiu de 10,2 bilhões para 1,7 bilhão e que a conta fundo de investimento em direitos creditórios saiu de zero para 8,3 bilhões.

Vamos fazer o mesmo para o Consolidado. Começamos com a coluna de 31/12/16 e temos que os maiores valores são: intangível (13,4 bilhões), contas a receber operacionais (11 bilhões) e caixa e equivalentes de caixa (2,7 bilhões). No exercício anterior as três maiores contas eram: intangível (14,3 bilhões), contas a receber operacionais (11,2 bilhões) e depósitos judiciais (1,3 bilhão). Aqui a mudança não foi tão drástica.

A próxima etapa é tentar entender a razão das mudanças que ocorreram na controladora em duas contas: contas a receber operacionais e fundo de investimento em direitos creditórios. Na primeira, o valor diminuiu de 10,2 bilhões para 1,7 bilhão ou uma redução de 8,4 bilhões. Na segunda, ocorreu um aumento de zero para 8,3 bilhões.

Dois pontos a serem notados: em primeiro lugar, que a variação de uma conta foi quase o mesmo valor que ao da outra; em segundo lugar, na imagem acima a empresa faz uma referência à nota explicativa que irá detalhar cada uma das contas. Observe que ao lado de contas a receber operacionais aparece que a nota explicativa é a número 5 e que ao lado de fundo de investimento em direitos creditórios a nota explicativa é a número 6.

Vamos iniciar pela nota 6, que possui o nome mais complicado. Eis o que diz o início:


Observe que este fundo começou a funcionar em 2016. Por esta razão, o valor correspondente em 31/12/2015 era igual a zero. O que ocorreu aqui é que a empresa controladora tomou grande parte de “contas a receber operacionais” e transferiu para um “fundo de investimento”. Este fundo irá administrar estes valores – que na nota explicativa corresponde às “cotas”. Provavelmente a empresa entendeu que a gestão destes recursos seria melhor se estivesse separado da administração dos outros ativos. A empresa deve ter estudado a legislação citada e verificado que seria interessante trabalhar com um fundo de investimento. Em lugar de ter “contas a receber”, a controladora possui agora cotas de um fundo.

Esta operação não alterou em nada o consolidado, já que tanto contas a receber quanto as cotas do fundo são da Cielo. Para fins de análise, ambos se equivalem.


Nenhum comentário :

Postar um comentário