Translate

23 novembro 2017

Domínio público

O dia 19 de novembro marcou o 89o. aniversário de Steamboat Willie, um curta-metragem em preto e branco estrelado por Mickey Mouse. Esta foi a animação sonora de maior sucesso da época e tornou o rato Mickey famoso em todo o mundo. Mas o site ProMarket, tomando os dizeres de Cory Doctorow lembra também que é sinônimo de extensão dos direitos autorais e o sucesso da empresa Walt Disney de manter o ratinho fora do domínio público.




A empresa Walt Disney, fundada em 1923, é uma multinacional de mídia, com produção de filmes, redes de televisão e parques temáticos. Touchstone, rede ABC, Disney Channel, ESPN, A+E, Pixar, Marvel e LucasFilm (Star Wars) são algumas das empresas e marcas associadas ao império Disney. No conjunto, receitas de 55 bilhões de dólares e quase 200 mil empregados.


Se Mickey entrasse em domínio público, outros personagens poderiam também ser explorados por qualquer empresa, como o Pateta (Goofy), Pluto, Donald, Branca de Neve, Dumbo e outros. O direito de exploração deveria terminar em 2024. Obviamente que a empresa está montando uma estratégia para impedir que isto ocorra ou ampliar o prazo.


Entretanto, conforme destaca o ProMarket, a proteção de direitos autorais estava programada originalmente para expirar os direitos autorais de Mickey Mouse em 1984. Mas o Congresso dos Estados Unidos mudou a lei com o Copyright Act de 1976 e extendeu o prazo para 2003. Já nos anos 90, a Disney começou o lobby para ampliar o prazo ainda mais. E gastou muito em dinheiro para obter o seu intento.


Através do Copyright Term Extension Act (CTEA) obteve uma extensão de vinte anos sobre os direitos autorais do ratinho Mickey. A lei ficou conhecida por alguns como Lei Disney, ou Mickey Mouse Protection Act. Muitos legisladores receberam dinheiro da empresa. A empresa fez um grande esforço para não divulgar como os seus lobistas trabalharam.


Diversos economistas famosos, incluindo Kenneth Arrow, Milton Friedman, George Akerlof, Ronald Coase e James Buchanan, argumentaram que a prorrogação não incentiva a produção de novas obras e a criatividade, incentivando o monopólio. A lei foi considerada constitucional e a Disney obteve o prazo de 2023 para esgotar os efeitos dos direitos autorais.


A dúvida é como a empresa irá conseguir manter a marca

Eleições dos CRCs (2)

Por Eliedna Barbosa

Corroborando com a análise dos resultados das eleições dos Conselhos Regionais de Contabilidade divulgada pelo Prof. Dr. César, cabe destacar, tomando por base a estimativa que do total de 530 mil profissionais, cerca de 310 mil votaram para escolher os presidentes da entidade de classe, restam 220 mil profissionais, se esses não justificarem tempestivamente a ausência no pleito, receberão uma multa no valor de 20% (vinte por cento) da anuidade do técnico em contabilidade do exercício da realização da eleição (R$ 482,00), ou seja R$ 96,40, gerando uma arrecadação “extra” de mais de 21 milhões de reais.

É preciso, ainda, nessas eleições dos conselhos regionais chamar a atenção para o fato de não existir a opção do voto nulo. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o voto em branco é aquele em que o eleitor não manifesta preferência por nenhum dos candidatos, enquanto que o voto nulo é tido como um voto de protesto contra os candidatos ou contra a classe política em geral. Ainda, para completar, no “sistema” utilizado nesse processo, o desenho de tela de votação não colocava o “voto em branco” como opção de voto, pois o mesmo não se encontrava ao lado da(s) opção(ões) de chapa(s), mas estava na barra de ferramentas abaixo, ao lado da opção confirmar o voto, isso pode ter influenciado nos resultados.

Por fim, outro aspecto relevante, corresponde ao fato de mais da metade dos eleitores concentrarem-se nas regiões de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, que em tese, poderiam, também, eleger o próximo presidente do Conselho Federal de Contabilidade, se tornam inexpressivo nesse caso, devido ao fato que no CFC a eleição é indireta. Em 10/11/2017 seu resultado deixou isso bem claro, quando os eleitos que escolherão o presidente em janeiro/2018, são em sua maioria das regiões norte e nordeste. E, ainda, dos nove Estados do nordeste, apenas Pernambuco não teve representante, conforme figura.



Menor concorrência

Analisando a frequência de palavras nos relatórios das empresas - por 10 mil palavras - percebe-se a presença cada vez menor da concorrência (competição, competidores, pressão). Da revista The Economist

Eleições dos CRCs


As eleições dos Conselhos Regionais de Contabilidade encerraram ontem. O resultado apontam que 310 mil profissionais votaram para escolher os presidentes da entidade de classe. Este número é bastante expressivo, quando analisado sob a ótica do número absoluto. Metade deste total foram eleitores de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, reproduzindo a concentração da população brasileira. Se a eleição fosse para cada registro um voto, os eleitores destas três regiões poderiam, em tese, eleger também o próximo presidente do Conselho Federal de Contabilidade. Mas este é um outro ponto que não iremos discutir nesta postagem. Vamos ficar com dois aspectos que os números da eleição revelam.

Votos em Branco - O primeiro aspecto é o elevado número de votos em branco. Em termos absolutos, foram mais de 45 mil profissionais que optaram em não votar em nenhum chapa. Isto corresponde, aproximadamente, a 15% do número de pessoas que votaram. Como seria de esperar, naquelas unidades da federação onde existiam somente duas opções, chapa 1 ou voto em branco, o percentual é maior: 18%. Em três unidades, para cada 4 eleitor, 1 votou em branco: Distrito Federal (28%), Paraíba (27%) e Rio Grande do Norte (27%). Assim, parece existir uma relação entre concorrência nas eleições e um menor percentual de votos em brancos. Como se espera. Os eleitores do DF não receberam uma mensagem indicando quem estava concorrendo, qual a proposta e outras informações básicas. Os estados onde o percentual de votos em branco foi menor que 10% tiveram mais de uma chapa.

Participação - A participação dos eleitores aptos a votar parece que foi reduzida. Este número não foi divulgado, mas usamos uma informação divulgada pelo CFC para fazer uma estimativa: o número de profissionais registrados. De um total de 530 mil  profissionais, pessoas físicas, menos de 60% votaram. É bem verdade que este percentual talvez seja pessimista, já que nem todo profissional registrado estava apto a votar. Se retirarmos os votos em branco, dos 530 mil profissionais registrados, um pouco menos da metade votaram em alguma chapa. Aqui o leitor pode escolher o seu número: se considerar que o não votante fez a escolha baseado no desânimo com o processo, o percentual a trabalhar seria de 50% de participação. Caso o leitor considere que o não votante muitas vezes não exerceu seu direito ao voto por um problema no sistema ou por estar ausente ou ..., o percentual seria 60%.

Para finalizar, o último número - Usando os dados da Eliedna, cada voto custou R$2,58 (incluindo o voto em branco). Este número está subestimado, pois não considera o custo de oportunidade do profissional registrado e os custos não rateados dos conselhos. (Grato ao Alexandre Alcântara, por ter alertado sobre o link do resultado)

Rir é o melhor remédio


Fonte: Aqui

22 novembro 2017

É o custo...

O gráfico mostra o custo de material para fazer um iPhone, com valores em dólares. Se um iPhone SE tinha um custo de 160 dólares por unidade, no novo iPhoneX este custo mais que dobra: 370 dólares, principalmente em razão da sua tela. 

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

21 novembro 2017

História do Petróleo na Venezuela em um gráfico

O gráfico mostra a produção de petróleo da Venezuela por habitante. Na sua origem, o destaque para o período bolivariano, a partir de 1998, quando a produção caiu de 60 barris para quase 20. Entretanto, os problemas começaram antes. Em 1971, o presidente Rafael Caldera aprovou uma lei de nacionalização da indústria de petróleo. Coincide com o início da decadência. Logo a seguir, em 1973, criou-se a PDVSA.

A partir dos anos 80 a produção ficou entre 40 e 60 barris por habitante.

Legado do combate à corrupção

Até mesmo experiências aparentemente negativas podem trazer algo bom. Essa é a avaliação do especialista em gestão de risco e governança corporativa Norman Marks sobre os recentes escândalos envolvendo corrupção no Brasil. (...)

Marks vê as atuais investigações [brasileiras sobre o assunto] como um divisor de águas na cultura empresarial. “Será interessante discutir aí no Brasil como as organizações precisam repensar sua postura quando o assunto é corrupção e quais as lições que podemos tirar dos escândalos. No fim, acho que muitas companhias aprenderam uma lição positiva e importante com isso” (...)

No caso brasileiro, o especialistas acredita que, passados os efeitos negativos das investigações feita pela Polícia Federal, é natural que as empresas passem a valorizar cada vez mais seus departamentos de governança corporativa.


Fonte: Aqui

Links

Banco da Inglaterra está mudando o auditor

Deloitte dos EUA desenvolve tecnologia de auditoria para pequenas empresas

TV: sobre Woodford, que revelou as trapaças na Olympus

Mais prazo para negociação na Samarco

Universidades britânicas (incluindo Oxford e Cambridge) espionavam ilegalmente ex-alunos para verificar o potencial de doação

Receita pública

Uma postagem do Value Walk apresentou um aspecto interessante sobre os recentes acontecimentos na Arábia Saudita. Todos sabemos que a economia da Arábia Saudita depende do petróleo. Este commoditie faz do país um dos mais ricos do mundo em termos do PIB per capita. A questão é que o preço do petróleo nos últimos anos reduziu as principais fontes de receitas. E, segundo o Value Walk, “o governo está desesperado para aumentar a receita”.

Recentemente o país anunciou um plano de diversificação da economia. No plano está um nova estância no Mar Vermelho, onde as mulheres poderão usar biquini. Além disto, o governo deseja vender parte da empresa de petróleo, a Saudi Aramco, e obter 100 bilhões. Mas nenhuma destas alternativas ajuda no problema de curto prazo: “Arábia Saudita precisa de dinheiro. Agora.”

Surge então uma fonte alternativa de receita: o roubo. Usando o disfarce de “combate à corrupção”, o governo prendeu pessoas ricas e congelou contas bancárias. E levou os presos para um hotel em Riad. Conforme o texto:

Contudo, parece-me como uma farsa ver burocratas e políticos extremamente corruptos prendendo empresários corruptos ... e depois confinando-os ao muito elegante hotel Ritz Carlton em Riad.

Os cativos poderão ficar livres se eles doarem 70% das riquezas para o governo. Se isto ocorrer, serão 100 bilhões de dólares, segundo uma estimativa, mas o governo esperar arrecadar 800 bilhões de dólares. Sem qualquer julgamento ou processo. E o PIB do país é de 700 bilhões de dólares https://en.wikipedia.org/wiki/Saudi_Arabia.

Faz sentido.

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

20 novembro 2017

Escola do Trabalhador

A Escola do Trabalhador, braço de formação do governo federal para o programa Emprega Brasil, terá 12 cursos que começarão a ser oferecidos nesta semana – o dia certo ainda será definido. O objetivo da ação é levar qualificação profissional aos trabalhadores por meio de treinamentos feitos pela internet. Conforme o Ministério do Trabalho, o programa tem a capacidade de atingir até 70 milhões de brasileiros.

A iniciativa nasceu da constatação de que muitos trabalhadores desempregados não estavam conseguindo se colocar no mercado por falta de qualificação. Foi feita, então, uma parceria com a Universidade de Brasília (UnB), que está realizando pesquisas para definir quais serão as modalidades oferecidas.


Fonte; Aqui 

Entre os cursos, Demonstrações Contábeis e sua Análise e Análise de Investimentos de autoria deste blogueiro.  Além de Folha de Pagamento, co-autoria de Fernanda Rodrigues e Mariana Guerra.

Muito caro

Uma pergunta no Quora:

Quais os itens mais caros que as pessoas compram?

A resposta, fantástica, de Cihan Oklap:

"Não é apenas o preço que é caro. É o fato das pessoas não poderem aproveitar enquanto estão lá."

Número ruins - ainda - de emprego no setor contábil

O Ministério do Trabalho divulgou hoje os dados do mercado de trabalho formal no Brasil. Como tem ocorrido nos últimos meses, temos acompanhado o setor contábil, através do mercado de contadores e auditores, técnicos em contabilidade e escriturários. Nos jornais a manchete de que foram criadas mais de 70 mil novas vagas na economia.

A figura a seguir mostra o comparativo entre a economia e o setor contábil. Para fazer esta comparação, dividimos os números da economia por 100. Como já era notado nos meses anteriores, o comportamento do mercado de trabalho na contabilidade não acompanhou o que está ocorrendo na economia. Pelo contrário, o número de demitidos continua superando o número dos admitidos. Em outubro foram 7688 versus 8199, aumentando para quase 38.500 o número de vagas destruídas desde janeiro de 2014. A diferença é tão grande entre os números da economia e do setor contábil que começamos a achar que a crise é estrutural do setor.

Os números de outubro de 2017 do setor contábil são parecidos com os do ano passado, quando a economia estava em recessão. A exceção do saldo, cuja diferença reduziu bastante, mas ainda continua negativo. 

Um aspecto que merece destaque: um segmento onde a contratação superou a demissão foi entre os profissionais de nível superior incompleto ou nível superior completo.

Links

Inteligência artificial e risco dos mercados

Análise estatística e o mais influente artista da música pop

Corrupção no futebol português

A influência do Banco Mundial no mundo dos negócios

O verdadeiro queijo Camembert  (foto)

Uma análise do Dox na internet (Aqui, o que significa)  

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

19 novembro 2017

Fato da Semana

Fato: Reguladores e Moeda Digital

Data: 17 de novembro de 2017

Contextualização - Como toda novidade, o surgimento da moeda digital trouxe algumas questões sobre sua regulamentação, como se a mesma possui validade ou não. Mais recentemente, a criação de captações públicas de fundos relacionados com a emissão de ativos virtuais gerou mais preocupação. O fato de mercado está aquecido, com constantes valorizações da moeda, é mais uma razão para que o assunto tenha atraído a atenção dos reguladores. Nesta semana, as duas maiores autoridades reguladoras do mercado de capitais do Brasil, a CVM e o Banco Central, emitiram uma nota sobre o assunto.

Relevância - o assunto é importante para a contabilidade por uma série de razões. A nota da CVM tinha uma preocupação de alertar o investidor. Mas o assunto vai além já que a moeda digital pode ser encarada como um mecanismo de troca, sem um tratamento especial por parte da contabilidade, ou como um gerador de riqueza. Neste último caso, mecanismos mais sofisticados de mensuração devem ser criados para permitir que o valor divulgado nas demonstrações contábeis esteja dentro da estrutura conceitual da contabilidade. Finalmente, e este ponto está no comunicado da CVM, é que a moeda digital pode trazer novos tipos de riscos que precisam ser contemplados na governança da empresa.

Notícia boa? - Sim. O assunto precisa ser discutido, não somente pelos reguladores, mas também pelos teóricos.

Desdobramento - É lógico que o assunto não se encerrou. O comunicado talvez seja uma preparação para uma futura Instrução que faça um detalhamento sobre questões relacionadas com a evidenciação do tema na contabilidade.

Semana teve só isto? - A semana teve o provável anúncio do default da dívida da Venezuela, a venda recorde de uma pintura, o divulgação da estimativa do TCU para o prejuízo da Comperj e alguns balanços divulgados, inclusive da Petrobras. Mas um fato importante para “nossa” comunidade é a iniciativa de fazermos um amigo oculto. É muito difícil ser blogueiro; alguns já possuem este hobby há mais de dez anos.

Cem anos de história empresarial


Cem anos das maiores empresas dos Estados Unidos mostra como a economia mudou. Em 1917 as maiores empresas eram um siderúrgica, uma empresa de telefonia e uma empresa de petróleo. Das grandes empresas existentes neste ano, poucas ainda existem. Cinquenta anos depois a lista é comandada pela IBM, a ATT e Kodak. Em 2017, as cinco primeiras são empresas de tecnologia: Apple, Alphabet (Google), Microsoft, Amazon e Facebook.

Links

Algumas questões sobre a moeda digital 

Isabel dos Santos (mulher mais rica da África) é exonerada da empresa de petróleo de Angola

O quadro que não foi pintado por Da Vinci (ao lado)

Fake News ou seleção das notícias? Qual o maior perigo para democracia?

17 novembro 2017

Comunicado CVM sobre ICOs


Considerando o avanço das operações conhecidas como Initial Coin Offerings (ICOs), a CVM esclarece que está atenta às recentes inovações tecnológicas nos mercados financeiros global e brasileiro. A Autarquia divulgou nota na qual explicitou que vem acompanhando tais operações e buscando compreender benefícios e riscos associados, seja por meio de fóruns internos, como o Comitê de Gestão de Riscos – CGR e o Fintech Hub, ou de discussões no âmbito internacional, como em trabalhos desenvolvidos pela IOSCO.

Em linha com as competências definidas na Lei 6.385/76 e considerando seu mandato legal de fomentar a formação de capitais, a CVM busca estimular a introdução de inovações tecnológicas no mercado de valores mobiliários, sempre que alinhados ao norte da segurança dos investidores e da integridade do mercado.

Assim, a Autarquia presta os seguintes esclarecimentos quanto aos riscos decorrentes dos chamados ICOs, tendo por base as dúvidas mais frequentes sobre o assunto, à luz do regime regulatório atualmente vigente no âmbito do mercado de valores mobiliários:

1. O que são Initial Coin Offerings?

r. Podem-se compreender os ICOs como captações públicas de recursos, tendo como contrapartida a emissão de ativos virtuais, também conhecidos como tokens ou coins, em favor do público investidor. Tais ativos virtuais, por sua vez, a depender do contexto econômico de sua emissão e dos direitos conferidos aos investidores, podem representar valores mobiliários, nos termos do art. 2º da Lei 6.385/76.

Os ICOs vêm sendo utilizados como uma estratégia inovadora de captação de recursos por parte de empresas ou projetos em estado nascente ou de crescimento, muitos ainda em estado pré-operacional, o que enseja um componente de risco por si só.

A inovação associada aos ICOs é oriunda de uma sequência de fatores. Primeiro, por utilizar-se de meios exclusivamente digitais, essa forma de captação facilita a captação de recursos de investidores a partir de qualquer localidade, mediante a transferência de moedas virtuais ou moedas fiduciárias, com maior facilidade e agilidade quando comparado às vias tradicionais.

Segundo, a “digitalização” da cadeia de processos operacionais costuma valer-se de criptografia, programação lógica, protocolos de rede de computadores descentralizados e tecnologias de registro distribuído (“distributed ledger tecnology - DLT”), o que em tese possibilita maior velocidade e precisão de registros.

2. Quais são as modalidades de ICO mais comuns?

r. Em certos casos, os ativos virtuais emitidos no âmbito de ICOs podem claramente ser compreendidos como algum tipo de valor mobiliário, principalmente quando conferem ao investidor, por exemplo, direitos de participação no capital ou em acordos de remuneração pré-fixada sobre o capital investido ou de voto em assembleias que determinam o direcionamento dos negócios do emissor.

Em outros casos, quando ocorre a emissão de um “utility token”, a distinção não é tão clara, podendo ou não haver entendimento de que houve emissão de valor mobiliário. A emissão de “utility tokens” ocorre quando o ativo virtual emitido confere ao investidor acesso à plataforma, projeto ou serviço, nos moldes de uma licença de uso ou de créditos para consumir um bem ou serviço.

3. No caso de um ativo virtual a ser emitido corresponder a um valor mobiliário, qual seria a orientação aos possíveis emissores de um “ICO”?

r. O regramento da CVM, em especial a Instrução CVM 400, estabelece que a “distribuição de valores mobiliários nos mercados primário e secundário, no território brasileiro, dirigida a pessoas naturais, jurídicas, fundo ou universalidade de direitos, residentes, domiciliados ou constituídos no Brasil, deverá ser submetida previamente a registro na Comissão de Valores Mobiliários”, exceto nos casos de dispensa de registro ou de requisitos de oferta, conforme dispostos nos Artigos 4º e 5º da referida Instrução.

No que se refere a ofertas de distribuição de valores mobiliários emitidos no exterior, realizadas por intermédio da Internet, para que não se caracterizem como dirigidas ao público residente no Brasil e, consequentemente, sujeitas à regulação, fiscalização e registro pela Comissão de Valores Mobiliários, a CVM já se posicionou sobre critérios a serem observados nos Pareceres de Orientação CVM nº 32 e 33, de 2005.

Recentemente, a CVM regulamentou uma possibilidade de dispensa automática de registro de oferta pública por meio da modalidade de crowdfunding, (Instrução CVM 588), com características próprias.

Ademais, o § 1º, Art. 4º da Lei 6.404/76, estipula que somente os valores mobiliários de emissão de companhia registrada na Comissão de Valores Mobiliários podem ser negociados em mercados secundários de valores mobiliários, com o intuito de fornecer à CVM e ao público um conjunto de informações de interesse de potenciais investidores e assegurar a transparência das informações referentes ao emissor.

Por fim, ressalta-se que os mercados secundários aludidos são aqueles admitidos ao funcionamento pela CVM, em especial conforme estipulado pela Instrução 461. O acesso do público investidor aos mercados regulamentados, bem como a negociação de tais valores mobiliários, deve ser feita por meio de intermediários autorizados pela CVM (corretoras e distribuidoras de valores mobiliários – vide Instrução CVM 505), os quais devem atentar para as exigências de prevenção à lavagem de dinheiro (Instrução CVM 301) e para a adequada identificação do perfil do investidor (Instrução CVM 539), utilizando infraestrutura de mercado autorizada pela CVM (por exemplo, centrais depositárias, custodiantes e escrituradores – vide respectivamente Instruções CVM 541, 542 e 543).

Assim sendo, um possível emissor desejoso de efetuar um ICO no mercado brasileiro deve atentar a todo arcabouço regulatório existente, brevemente descrito acima, de forma a se assegurar quanto à viabilidade jurídica da operação pretendida à luz das normas em vigor.

As ofertas de ativos virtuais que se enquadrem na definição de valor mobiliário e estejam em desconformidade com a regulamentação vigente serão tidas como irregulares e, como tais, estarão sujeitas às sanções e penalidades aplicáveis. A CVM alerta que, até a presente data, não foi registrada nem dispensada de registro nenhuma oferta de ICO no Brasil.

4. O que são as chamadas “exchanges” de ativos virtuais?

r. No Brasil, as chamadas “exchanges” de ativos virtuais são empresas prestadoras de serviços não regulamentadas pela CVM, que oferecem os serviços de negociação, pós-negociação e custódia de ativos virtuais que não caracterizam valores mobiliários.
Essas empresas não são autorizadas pela CVM ou pelo Banco Central para prestar quaisquer serviços relativos a ativos financeiros. Quando o ativo financeiro envolvido for um valor mobiliário, tais empresas devem buscar os registros devidos para o exercício das atividades citadas junto à CVM.

5. O que diferencia um prospecto exigido nas ofertas públicas registradas na CVM dos chamados “white papers” comumente verificados em ICOs?

r. O prospecto é documento essencial em uma oferta pública e regulamentado pela Instrução CVM 400, e disponibiliza informações essenciais padronizadas para que o investidor entenda a proposta da companhia e tome sua decisão de investimento. Dentre outras, encontram-se no prospecto as seguintes informações: perspectivas e planos da companhia; situação do mercado em que ela atua; os riscos do negócio e da oferta; o quadro administrativo da empresa, bem como informações sobre a oferta em si.

Os chamados “white papers” disponibilizados nos ICOs não correspondem aos prospectos mencionados. Além de não terem respaldo da CVM, são mais breves, genéricos, não padronizados e compostos por algumas informações técnicas operacionais sobre o ICO.

6. Qual a posição da CVM sobre alguns aspectos de governança comumente verificados em ICOs?

r. Diversos ICOs utilizam como ferramentas de amparo reputacional estratégias tais como a publicação de seus códigos-fonte, a divulgação de que houve auditoria independente de seus códigos-fonte e a divulgação de opiniões de supostos especialistas técnicos a respeito da oferta e do projeto em questão. Essas técnicas não são exigidas em prospectos de ofertas regulamentadas pela CVM.

Por outro lado, é importante frisar que tais operações de ICOs não contam com mecanismos de governança exigidos para as ofertas sujeitas a registro junto à CVM, tais como diligências do líder da oferta e do emissor do valor mobiliário, auditoria independente das demonstrações financeiras, verificação da regularidade do emissor junto à autarquia, entre outros aspectos que visam conferir segurança ao valor mobiliário emitido.

7. Qual a posição de outros reguladores internacionais em relação aos ICOs?

r. Há reguladores financeiros que adotam uma postura mais restritiva em relação à captação de recursos via ICOs e a negociação de ativos virtuais em “exchanges”, chegando a proibi-las.

Outras autoridades, por sua vez, têm compreendido que as normas do mercado de capitais devem ser respeitadas por possíveis emissões via ICO em um processo de captação pública de recursos no qual há emissão de valores mobiliários.

8. Quais os principais riscos associados à negociação de ativos virtuais e à participação em ICOs?

r. Quanto à participação de potenciais investidores em operações de ICO, alerta-se para os seguintes riscos inerentes a tais investimentos (em especial no que diz respeito a emissores ou ofertas não registradas na CVM):

i. Risco de fraudes e pirâmides financeiras;
ii. Inexistência de processos formais de adequação do perfil do investidor ao risco do empreendimento (suitability);
iii. Risco de operações de lavagem de dinheiro e evasão fiscal/divisas;
iv. Prestadores de serviços atuando sem observar a legislação aplicável;
v. Material publicitário de oferta que não observa a regulamentação da CVM;
vi. Riscos operacionais em ambientes de negociação não monitorados pela CVM;
vii. Riscos cibernéticos (dentre os quais, ataques à infraestrutura, sistemas e comprometimento de credenciais de acesso dificultando o acesso aos ativos ou a perda parcial ou total dos mesmos) associados à gestão e custódia dos ativos virtuais;
viii. Risco operacional associado a ativos virtuais e seus sistemas;
ix. Volatilidade associada a ativos virtuais;
x. Risco de liquidez (ou seja, risco de não encontrar compradores/vendedores para certa quantidade de ativos ao preço cotado) associado a ativos virtuais; e
xi. Desafios jurídicos e operacionais em casos de litígio com emissores, inerentes ao caráter multijurisdicional das operações com ativos virtuais.

A CVM recomenda aos potenciais investidores, como forma de evitar os riscos aqui apontados, verificar no site da Autarquia se o ofertante é emissor registrado na CVM e se a oferta foi registrada ou dispensada de registro. Além disso, a Autarquia, por meio de seus canais de atendimento ao investidor, encontra-se à disposição para responder a consultas sobre ofertas registradas na Autarquia, bem como investigar denúncias e reclamações sobre possíveis irregularidades nessas e em outras operações.

Os investidores devem avaliar atentamente as características de tais operações, de forma a identificar indícios de possíveis irregularidades, tais como: promessas de retornos elevados com baixo risco, pressão para participar das transações imediatamente (sentido de urgência), ofertantes ou ofertas não localizadas no site da CVM, ausência de análise da capacidade financeira e perfil de risco do investidor, entre outros.

A CVM permanece atenta à evolução dos ICOs e, sendo o caso, tomará, no momento apropriado, as medidas cabíveis no âmbito de sua competência legal, de forma a assegurar a estabilidade e o contínuo desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro.

O Banco Central também divulgou um FAQ e Comunicado nº 31.379, alertando sobre os riscos das operações de guarda e negociação das moedas virtuais.

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

16 novembro 2017

Carlsen Insuperável atinge o rating de 3000 pontos no xadrez

No xadrez o desempenho de um jogador é medido pelo seu rating Elo. Criado por Elo, o rating começou a ser cálculo há décadas e serve de parâmetro para a força do jogador. Geralmente um Grande Mestre possui um rating acima de 2.500, mas os maiores jogadores do mundo, o rating está acima de 2.700. Atualmente são 44 jogadores que possuem este rating.

Se um jogador de rating de 2.700 joga com outro de rating de 2.600, espera-se que a partida seja vencida pelo jogador melhor, o de rating de 2.700. Se o outro jogador vence, o rating deste cresce e, na mesma proporção, o do jogador melhor diminui. Atualmente o rating é calculado para o jogo clássico, aquele "demorado", o jogo rápido e a partida mais rápida de todas ou Blitz. Atualmente o mesmo jogador possui o melhor rating no clássico, rápido e blitz. Trata-se do sueco Carlsen, com 26 anos, e atual campeão mundial. E o melhor jogador de todos os tempos. No clássico, o sueco já chegou a ter um excepcional rating de 2.882 em maio de 2014.

O sueco possui um rating enorme de 2903 no xadrez rápido, um pouco abaixo da maior pontuação de todos os tempos, de 2909, que ele obteve em agosto deste ano. Outros jogadores obtiveram um boa pontuação no passado neste tipo de xadrez: o americano Nakamura com 2850, o russo Grischuk com 2851, entre outros.

Mas o desempenho de Carlsen no Blitz mostra como o sueco está bem na frente dos demais. Ele ultrapassou, agora, a marca dos 3 mil pontos. Isto é algo histórico para o xadrez. O desempenho dele foi obtido com um torneio recentemente encerrado nos Estados Unidos. O torneio contou com partidas entre oito grandes jogadores de xadrez. A competição dividiu os oito jogadores em quatro duplas e estas duplas disputaram entre si 30 jogos, inicialmente de 30 minutos, depois 20 minutos, 10 minutos e finalmente de 5 minutos. Ou seja, partidas de xadrez rápido e Blitz. Carlsen disputou suas 30 partidas contra o chinês Ding Liren, o melhor jogador da história da China, e terceiro no rating de Blitz e 31o no rápido. Ding Liren faz parte da elite que irá apontar o desafiante ao campeão Carlsen e venceu a Copa do Mundo, um torneio de mata-mata. Ou seja, não é um jogador qualquer.

Nos dez jogos de rápido, foram 6 empates e 4 vitórias de Carlsen. Como o rating de Carlsen no rápido era bem superior, mesmo perdendo quatro jogos, Ding Liren ganhou 6 pontos no rating - e Carlsen perdeu seis pontos.

No Blitz o sueco começou perdendo a primeira partida e com isto foram 12 pontos a menos no rating. Nas seis partidas restantes foram 5 vitórias do sueco. Com isto, e pelas regras do torneio, Carlsen já foi declarado campeão do desafio contra o chinês. Até o término, foram mais 7 partidas, com quatro vitórias, dois empates e uma derrota. Com este resultado, o rating de Carlsen ultrapassou aos absurdos 3 mil pontos.

Mas...

Uma regra da Fide, a confederação de xadrez, diz que o rating deixa de ser contado quando numa disputa de mata-mata, o vencedor já está decidido. Neste caso, as sete partidas finais, que foram suficientes para obter os 3 mil pontos, não serão consideradas neste cálculo. Ou seja, o rating do campeão ficou congelado em 2974. Mesmo assim, o melhor rating da história.

Adulando o usuário da informação contábil

Adular ou bajular alguém geralmente é uma estratégia que todos usamos, em maior ou menor escala, diariamente. Quantas vezes elogiamos o cabelo de uma pessoa, mesmo não tendo simpatizado com o corte, um pouco antes de pedir um favor? Se não for isto, algo deste estilo.

Mas será que a bajulação funciona também nas decisões financeiras? Se uma empresa pretende obter crédito em uma instituição financeira, elogiar a qualidade da empresa ou mesmo a capacidade do funcionário que está analisando a proposta pode ser uma alternativa que não deve ser desprezada. Mesmo sabendo que muitas vezes a decisão segue uma cartilha ou parâmetros rígidos. O mesmo pode ocorrer com a empresa em relação a seus investidores. A bajulação, quem sabe, poderia afetar a decisão do investidor, de maneira mais favorável. Mas funciona?

Isto é muito difícil de saber na prática. Nestes casos, a ciência costuma usar situações próximas aquelas que ocorrem na vida real, seja simulando uma decisão, seja submetendo um grupo de pessoas a uma decisão próxima a que ocorre na prática. Basicamente, se as pessoas mudam sua decisão sobre uma empresa diante de uma adulação, isto pode ser sinal que a adulação/bajulação resolve.

Num experimento famoso, realizado em 1997, dois pesquisadores, Fogg e Nass, realizaram um experimento onde os computadores adularam as pessoas. Os participantes da pesquisa recebiam um elogio sincero, um elogio comprovadamente exagerado e um feedback simples. Mesmo sabendo que era uma máquina, as pessoas reagiam de forma diferente ao elogio. O experimento de Fogg e Nass foi importante para que os atendentes virtuais dos dias de hoje fossem programados para agradecer ou tratar de forma cordial os clientes.

Uma pesquisa nesta linha foi realizada utilizando o usuário da demonstração contábil. Para um grupo de usuário foi entregue um conjunto de informação sobre o desempenho da empresa. Para outro grupo, o mesmo conjunto de informação, com uma pequena exceção: uma frase bajulando o investidor. A frase era a seguinte:

Isso se encontra refletido no alto grau de escolaridade dos investidores pessoas físicas e nas características dos investidores institucionais, todos eles preocupados em depositar seus recursos em uma empresa que valoriza a governança corporativa. Temos orgulho de ter a confiança de renomadas instituições e de investidores experientes e honramos os recursos depositados em nossa empresa.


Nada muito agressivo e direto, mas uma bajulação ao investidor. O resultado da pesquisa mostrou que a avaliação da empresa foi alterada com a presença da frase. Assim, a bajulação funcionou.

Mas uma surpresa da pesquisa é que a bajulação nem sempre funciona. Neste caso, parece que a idade mostrou ser um fator que anestesia este efeito. Isto significa dizer que indivíduos mais velhos foram mais imunes ao efeito da frase.

Silva, César Augusto Tibúrcio; Magalhaes, Isabela Lourenço Achkar; Vieira, Edzana Roberta Ferreira da Cunha. Adulando o usuário da demonstração contábil. Revista Mineira de Contabilidade. v. 18, n. 2, 2017.

Efeito propriedade: nenhuma teoria consegue explicar

O efeito propriedade é um desvio da teoria economica, mas também não pode ser explicado pela  economia comportamental.


Resumo:

An enormous literature documents that willingness to pay (WTP) is less than willingness to accept (WTA) a monetary amount for an object, a phenomenon called the endowment effect. Using data from an incentivized survey of a representative sample of 3,000 U.S. adults, we add one (probably) surprising additional finding: WTA and WTP for a lottery are, at best, slightly correlated. Across all respondents, the correlation is slightly negative. A meta-study of published experiments with university students shows a correlation of around 0.15--0.2, consistent with the correlation in our data for high-IQ respondents. While poorly related to each other, WTA and WTP are closely related to different measures of risk aversion, and relatively stable across time. We show that the endowment effect is not related to individual-level measures of loss aversion, counter to Prospect Theory or Stochastic Reference Dependence.

Willingness to Pay and Willingness to Accept are Probably Less Correlated Than You Think Jonathan Chapman, Mark Dean, Pietro Ortoleva, Erik Snowberg, and Colin Camerer NBER Working Paper No. 23954 October 2017

Tela de Da Vinci é leiloada por 450 milhões

Uma tela de Leonardo da Vinci, Lo Salvator Mundi, foi vendida por 450 milhões de dólares num leilão ontem. Há sessenta anos a tela foi vendida por 60 dólares. Naquela época, a tela foi confundida com uma cópia. Mas ainda existem dúvidas sobre a autenticidade da tela. O comprador não foi identificado.

Anteriormente o recorde era de uma tela de Pablo Picasso, num leilão, e uma tela de Gauguin, numa venda privada. Já a pintura Lo Salvator Mundi é uma das 20 pinturas conhecidas de Da Vinci. Destaque o trabalho da casa de leilão, que promoveu a pintura em uma turnê mundial que contou com um público de 27 mil pessoas. Além disto, o vídeo promocional tinha a presente de outro Leonardo, o DiCaprio, e Patti Smith.
 

Há questionamentos sobre a autenticidade da pintura, apesar a afirmação da Christie's, a empresa responsável pelo leilão, de que a maioria dos estudiosos não têm dúvida sobre a autoria.

Comperj e o prejuízo de 12 bilhões de dólares

Tribunal de Contas da União (TCU) apontou nesta terça-feira (14) um prejuízo de US$ 12,5 bilhões na construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Segundo a corte, desse total US$ 9,5 bilhões são atribuídos à gestão temerária do projeto.

Localizado em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, o Comperj começou a ser erguido em 2010 e chegou a ser uma das principais obras do país, onde trabalhavam cerca de 35 mil pessoas. Além do TCU, a construção do Comperj é investigada pela Operação Lava Jato, que apura esquema de desvio de verbas envolvendo a Petrobras, partidos políticos e empreiteiras.

Segundo o relator do processo, ministro Vital do Rêgo, os responsáveis pela obra foram negligentes na aprovação da fase 2 do complexo, que ocorreu mesmo sem definição de um projeto. Já a aprovação da fase 3, disse o ministro, aconteceu mesmo após a identificação de que seria economicamente inviável. O relatório aponta também que houve demora para o início da reavaliação do projeto.


O mais estranho no texto do G1 é o seguinte:

Na nota, a Petrobras diz que "reafirma sua condição de vítima nesse processo, clara pelo fato de a companhia não ter obtido nenhum ganho financeiro a partir de eventuais irregularidades e, ao contrário, ter tido prejuízo".


Já comentamos isto antes: a Petrobras tomou a decisão de fazer o investimento. Não foi forçada. O seu acionista controlador - e seus representantes - tinham certos interesses. Como a empresa é uma "ficção jurídica", nas palavras de Jensen e Meckling, as pessoas que tomaram a decisão devem ser punidas. Simples assim.

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

15 novembro 2017

As transformações no mercado de trabalho contábil

Mensalmente este blog acompanha o resultado do mercado de trabalho formal no setor contábil. Usando a classificação da CBO2002 e considerando Contadores e Auditores, Escriturários e Técnicos em Contabilidade como este setor, temos divulgado os números dos admitidos e demitidos, tendo por base do Caged.

Fizemos agora também um levantamento anual, usando o mesmo critério de classificação do setor contábil, só que usando a base de dados da Rais, em lugar do Caged. Os dados também são do mercado formal.

A figura abaixo mostra a evolução anual do número de empregados no setor, de 2003 a 2016. No início da série eram 221 mil trabalhadores; no final do ano passado, o número era quase o dobro. Uma grande evolução neste período, que só não foi maior em razão da redução recente em razão da crise econômica e confirmando os números mensais que estamos divulgando aqui no blog

A evolução no número de empregados no período teve um efeito importante: a participação da mão-de-obra do setor no total da economia cresceu substancialmente. O gráfico a seguir faz esta comparação. Em 2003 os empregados do setor contábil correspondia a 0,75%; no último ano, quase 1% dos trabalhadores brasileiros atuavam com a contabilidade.

A figura a seguir mostra a evolução da remuneração total, considerando 2003 igual a 100, e em salários mínimos. Ou seja, os valores seriam corrigidos. Para fins de comparação colocamos na figura o total do Brasil. Aqui temos uma boa notícia para os profissionais de contabilidade: os anos recentes foram benéficos para o bolso, já que a remuneração, em salários mínimos, aumentou em 34%, enquanto o total da economia permaneceu próximo do valor de 2003. E o ganho ocorreu principalmente entre os anos de 2010 e 2012.

Mas o dado anterior necessita ser visto com cuidado, já que são valores totais. Ou seja, são influenciados pelo crescimento no número de profissionais. Observe que isto é ruim, já que ocorreu o número de empregados quase dobrou, enquanto o volume de remuneração aumentou somente 34%. A figura a seguir trás uma comparação mais adequada, com a diferença de remuneração média do setor em relação a média da economia. Em 2003 a diferença era de 73%, ou seja, o empregado da área ganhava mais de 73% do que a média; em 2016 a diferença caiu para 52%.

A figura a seguir mostrava a horas contratadas médias do setor em comparação a média do Brasil. Aquela piadinha que diz que um contador que trabalha de segunda a sábado, das 8 as 20 horas, fazendo hora extra no domingo, recebe o nome de “preguiçoso”, parece ter um fundo de verdade. O número de horas contratadas no setor, na linha azul, é bem superior a média do Brasil. E enquanto a média brasileira manteve-se dentro do mesmo patamar, a média do setor contábil mostrou um aumento no período. Assim, em média o trabalhador do setor contábil é contratado para trabalhar em média 42,5 horas por semana, a média total do brasileiro está abaixo de 41 horas.

O sexto gráfico mostra a idade média do trabalhador do setor em relação a média. Enquanto o trabalhador brasileiro médio envelheceu ao longo do tempo, ocorreu um diminuição na idade médio do empregado, entre 2006 a 2012.

A seguir a ilustração gráfica da maior transformação ocorrida no setor contábil. Em 2003, metade do setor era composta por mulheres. Em 2016, 60,5% eram de mulheres. Um percentual bem acima da média. Mas a notícia ruim é que a diferença salarial entre homens e mulheres é MUITO maior entre os empregados do setor contábil do que na economia brasileira.

Como e por que nós lemos



Há legendas em português.

Amigo secreto dos blogs de contabilidade

O Natal está ali na esquina e este ano decidimos repetir o amigo secreto que fizemos em 2013. Somos 9 blogs e 11 participantes:

Alexandre Alcantara: Professor Alexandre Alcantara

César Tibúrcio: Contabilidade Financeira

Claudia Cruz: Ideias Contábeis

Felipe Pontes: Contabilidade e Métodos Quantitativos

Orleans Martins: Informação Contábil

Pedro Correia: Contabilidade Financeira

Polyana Silva: Histórias Contábeis

Roberto Sousa Lima: Base Gecap

Sandro Vieira Soares: Acervo Contábil

Vladmir Ferreira Almeida: Vladmir F Almeida

Então vamos lá! Não só trocar presentes com pessoas fantásticas (ou acompanhar a troca), mas também ajudar a divulgar e incentivar mais blogs e blogueiros.

... Espero que ano que vem, quando formos repetir a dose, encontremos mais páginas atualizadas porque, como o professor César sempre escreve: o difícil em um blog é continuar (tá... eu não achei exatamente a postagem que ele diz isso, mas essa vale: por que os professores de contabilidade não blogam?). Então vamos incentivar o máximo de blogueiros que conseguirmos? Entre lá nos sites e divulgue também.

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

14 novembro 2017

Victoria's Secret

Laís Ribeiro com o Fantasy Bra
O fashion show da Victoria’s Secret em Xangai está quase chegando. A modelo a desfilar com o Fantasy Bra será a brasileira Laís Ribeiro. Este ano, o sutiã é encrustado com diamantes, safiras amarelas e topázios azuis, está avaliado a reles US$ 2 milhões. A peça apresentada no ano passado pela Jasmine Tookes foi avaliada em US$ 3 milhões e o mais caro foi o que a Gisele Bündchen usou em 2000, que valia US$ 15 milhões.

Ano passado, em Paris, o show custou cerca de R$ 30 milhões segundo a Vogue. Ele foi transmitido em mais de 190 países, chegando a 800 milhões de telespectadores.

Para se adequar ao mercado, este ano a VS parou de vender roupas de banho - eliminando cerca de US$ 500 milhões em vendas anuais - e está investindo em itens esportivos como tops e bralettes, área com muita competição. Essa alteração foi refletida nas ações da sua controladora L Brands, que vem apresentando lucros menores nos últimos trimestres. Espera-se que a longo prazo a empresa se recupere.

Em 1982 a The Limited (L Brands, atualmente) comprou a Victoria’s Secrets por US$ 1 milhão. Les Wexner, dono da marca, é hoje a 95ª pessoa mais rica do mundo, segundo a Forbes.

Lucro na Petrobras

A Petrobras divulgou o resultado do terceiro trimestre de 2017. O lucro divulgado foi R$266 milhões. Apesar de reduzido, perante o ativo da empresa e da sua receita, trata-se do quatro resultado trimestral positivo. Já o fluxo das atividades operacionais permaneceu no patamar acima dos 20 bilhões de reais no trimestre. Há tempos o lucro da empresa não consegue ser superior ao caixa das operações.
Mais ainda, desde 2010, o resultado líquido apresenta uma grande variabilidade. Em média, a Petrobras gerou nos últimos trimestres 1,5 bilhão de reais, versus 17 bilhões de caixa.

Quando soma o caixa das atividades de investimento, desde 2015, o fluxo de caixa livre tem sido superior ao lucro líquido.


Outro destaque tem sido a redução continua do endividamento da empresa. Usando somente o passivo oneroso, em relação ao ativo total, o teto de 55%, no final de 2015, caiu para 45%.

Rir é o melhor remédio

Nem Super Sayajin ou Mulher Maravilha ou Tio Patinhas (só quem já teve que fazer muitas contas sabe o que é acertar uma soma com 110 números)

13 novembro 2017

Razões da corrupção

Vi esta frase no blog do Al Roth, que transcreveu de um nigeriano:

"Eu sou corrupto porque a alternativa é perigosa. Em última análise, o preço da honestidade supera as conseqüências da corrupção. Por não haver uma rede de segurança para a pessoa sincera. Uma vez que uma nota N100 que entrego para um policial é menos pesada e menos problemática do que uma viagem honesta a uma delegacia nigeriana. Sou corrupto porque a corrupção é um processo lógico, porque a integridade não é razoável. Eu sou corrupto porque a corrupção é comum: um fato mundano da vida. Eu sou corrupto porque a corrupção funciona ".

Links

O judiciário da América Latina é manipulado para proteger as elites econômicas e os políticos locais. Ou, o que a Guatemala pode nos ensinar?

O efeito do rodízio na auditoria

Em publicidade, fama não significa influência

Burocracia e tributação causam irregularidades nas empresas

Multa do diretor da Petrobras por fato relevante incompleto

Este site editou um pedido de desculpas de um acusado de assédio

Recolhendo os trocados

Com dívidas de mais de 13,6 mil milhões de euros (£ 12 bilhões), a cidade de Roma está considerando tomar as moedas jogadas na Fonte de Trevi. Tradicionalmente, o dinheiro jogado na fonte de 300 anos, estimado em cerca de € 1 milhão por ano, são para Caritas, uma instituição de caridade católica. Mas segundo a mídia italiana, Virginia Raggi, prefeito da cidade, está pensando em usar o dinheiro.

Fonte: Aqui

Rir é o melhor remédio


12 novembro 2017

Fato da Semana: Catelli

Fato da Semana: Catelli

Data: 9 de novembro

Contextualização -
Armando Catelli formou-se em contabilidade e fez seu doutorado na área. Foi um dos primeiros doutores na área do Brasil. Durante sua docência na Universidade de São Paulo, Armando Catelli marcou a ciência no Brasil, particularmente a área de custos e controladoria, criando uma escola, denominada de Gestão Econômica, Gecon. Usando os conhecimentos de áreas correlatas, o Gecon tornou-se uma referência na área no Brasil. Com a redução da inflação no Brasil, a partir do Plano Real, a implantação de sistemas de custos tornou-se vantajosa, pela relação custo-benefício. Neste momento, o Gecon tornou-se uma opção, ao lado do custeamento por atividades e os sistemas tradicionais.

Relevância -
O Brasil perde um grande cientista contábil, que defendia sua ideias e conseguiu formar um grupo de discípulos.

11 novembro 2017

Localizando cidades perdidas

Usando dados de registros comerciais e uma técnica de gravidade estrutural, quatro pesquisadores localizaram cidades antigas perdidas. Conforme os autores, em muitos casos as estimativas confirmam as conjecturas dos historiadores que utilizaram outras metodologias. Em outros casos, as estimativas foram contrárias a alguns historiadores. Para provar o modelo, os autores também usaram os dados em situações modernas.

oferecemos evidências em apoio da hipótese de que grandes cidades tendem a emergir nas interseções de rotas de transporte naturais, conforme ditado pela topografia.

(Via aqui)

Complexidade contábil

De um artigo do Going Concern:

O principal motivo para aumentar o volume e a complexidade da norma contábil é que muitos auditores, corporações e reguladores pedem isso. Eles querem ter respostas claras para quase todas as situações possíveis que possam encontrar. Embora a maioria dos empresários e auditores seniores de empresas de auditoria apoiem princípios gerais, em teoria, eles geralmente pedem padrões muito mais detalhados na prática.

Rir é o melhor remédio


10 novembro 2017

Surpresas em pintura

Duas surpresas nesta semana relacionadas com pinturas. A primeira é o quadro abaixo de Van Gogh:
Os especialistas encontraram um gafanhoto morto. Van Gogh pintava ao ar livre e o gafanhoto seria uma sujeira. A outra surpresa foi um vídeo mostrando a limpeza de uma tela do século XVII.

Itália multa Big Four

Segundo a agência Reuters, a autoridade antitruste da Itália informou que multou as quatro maiores empresas contábeis. A multa tem um valor total de 23 milhões de euros e o motivo foi conspirar para divisão de grandes contratos de consultoria. As empresas Deloitte, KPMG, EY e PwC acertaram um contrato de 66 milhões de euros, "neutralizando a concorrência fora do cartel".

O resultado da Equifax

A empresa Equifax sofreu recentemente um ataque da hackers. O fato só foi divulgado no início de setembro e foi muito grave em razão das implicações. Agora a empresa divulgou suas demonstrações periódicas, a primeira divulgação após o anúncio de setembro.

O ponto importante nesta divulgação é a não informação. A empresa afirmou que não sabe se as causas do ataque foram resolvidas e se existe chance de um novo ataque. Mais ainda, a empresa afirma não ser possível estimar os efeitos do ataque.

Eis um bom caso para discutir sobre a definição de provisão e de contingência.

Sobre nova norma de seguros

A 18 de maio de 2017, o International Accounting Standards Board (IASB) publicou a IFRS 17 – Contratos de Seguros, a nova Norma de Relato Financeiro Internacional, com data efetiva de aplicação a partir de 1 de janeiro de 2021, que substituirá a IFRS 4 e que cobre o reconhecimento, a mensuração, a apresentação e a divulgação das responsabilidades com contratos de seguro.

A nova norma pretende trazer aos investidores e outros stakeholders uma maior transparência e comparabilidade das demonstrações financeiras das empresas de seguros.

Conforme referido na publicação da EY “IFRS 17: what to do now – Implications for european insurers”, a IFRS 17 irá resultar numa profunda mudança na contabilização das demonstrações financeiras das empresas de seguros, a qual terá um impacto significativo nos dados, sistemas e processos utilizados para produzir o reporte financeiro, bem como nas pessoas que os produzem.

Em particular, a IFRS 17 trará alterações significativas na mensuração dos contratos de seguro, principalmente para os contratos de longo prazo.

Os requisitos são significativamente diferentes dos atuais em diferentes aspetos críticos. A IFRS 17 combina uma mensuração atual das responsabilidades dos contratos de seguro constantes no balanço com o reconhecimento do lucro durante o período em que os serviços são prestados. É provável que o novo requisito tenha um impacto significativo no lucro e no capital total de algumas empresas de seguros e grupos.

Não obstante as diferenças existentes nos dois regimes, alguns dos processos, cálculos e sistemas utilizados para o Solvência II poderão ser alavancados para a IFRS 17. Ainda assim, o reconhecimento do lucro decorrente de um contrato de seguro terá de ser distribuído ao longo do período de cobertura. Este processo é efetuado através da inclusão de uma contratual service margin que não existe em Solvência II.

A data efetiva de 1 de janeiro de 2021 proporciona às entidades um período de implementação de cerca de três anos e meio. Embora este período seja relativamente longo em comparação com outras normas, a complexidade da IFRS 17 é tal que as empresas não podem esperar. É crucial começar a preparar as diversas etapas do processo de implementação, de modo a identificar a extensão do esforço necessário para alcançar a conformidade, e entender e explicar os impactos financeiros.

Em particular, espera-se que a exigência de um balanço de abertura na data de implementação, como se a norma tivesse sempre existido para o negócio em carteira, constitua um esforço bastante significativo.

Dada a escala desta mudança, e independentemente da data da sua entrada em vigor, os investidores e outros stakeholders irão querer antecipar os impactos prováveis desta alteração, pelo que se espera que a análise deste tema assuma um carácter prioritário.


Doral Leal, da EY. Fonte: Aqui

Valor e Desempenho Contábil

Veja os seguintes números do desempenho de uma empresa:

A empresa, com receitas de US$208 milhões e despesas acima de US$650 milhões, teve um prejuízo de 462 milhões. Bem ruim. Mas o valor de mercado é de 18 bilhões. Quando a IPO chegou perto dos 30 bilhões.

O que garante esta diferença entre o desempenho contábil e o valor de mercado é que o primeiro está baseado no passado, enquanto o segundo olha a capacidade potencial de gerar caixa no futuro. A empresa em questão é a Snap, bastante conhecida do público tecnológico. Mas será que ela vale 18 bilhões de dólares?

O gráfico abaixo mostra potenciais cenários para a empresa:

Na melhor das hipóteses, a receita poderá chegar a mais de 7 bilhões de dólares em 2020. Na pior situação seria 1,4 bilhão. O cenário otimista parece estar sendo considerado de forma mais persistente pelos investidores. Ou então, o receio de perder o próximo Facebook ou Google.

A empresa possui mais de 2 bilhões de caixa e queimou 200 milhões no trimestre. Em dez trimestres, neste ritmo, o caixa será zerado.