Translate

26 dezembro 2016

História da Contabilidade: Estudantes de contabilidade em 1869 no Brasil

No final dos anos de 1860 o Brasil possuía mais estudantes em contabilidade do que temos atualmente. E estamos falando de valores absolutos, não de valores relativos. Isto pode parecer estranho, já que temos a ideia de que as pessoas no segundo reinado eram incultas e o avanço do ensino da contabilidade aconteceu a partir dos anos 1990, com a expansão das faculdades particulares.

Vejamos os números. Segundo um relatório publicado pelo Ministério do Império, em 1869, existiam no país 3.378 escolas particulares e públicas de instrução primária. Deste total, mais de 2/3 eram para meninos e o restante para as mulheres. Do total, 15% estavam localizados na província de Minas Gerais, 10,7% em Pernambuco, quase 9% em S. Pedro do Rio Grande do Sul, 8,5% em São Paulo e percentual próximo na Bahia e Rio de Janeiro. Estas seis províncias, mais Ceará, tinham 2.252 estabelecimentos ou 66,7% das escolas do Brasil.

Em termos de alunos, eram 106.624, sendo que 12,3% estavam em Minas Gerais, 10,5% em Pernambuco, 9,8% no Ceará e 9,4% na Bahia, que eram as províncias com maior número de alunos. Do total, 70% eram do sexo masculino, o que mostra um elevado grau de exclusão das mulheres no ensino.

O relatório do Ministério do Império mostra também o orçamento público de cada província para educação: o Rio de Janeiro tinha o maior orçamento, seguido de Minas e, mais distante, a Bahia. O relatório comenta também dos baixos salários, da melhor qualidade das professoras (e não dos homens) e da evasão elevada.

Na página 43 do relato temos uma informação relevante:
Como já afirmamos neste blog várias vezes, o ensino de contabilidade ocorria juntamente com as primeiras noções de matemática. Assim, como em quase todas as províncias era ensinado a contabilidade no primeiro grau, podemos dizer que existiam mais de 100 mil estudantes de contabilidade no império. É bem verdade que o nível do ensino (talvez) fosse menos aprofundado que o ensino superior de contabilidade. Mas como não existia “conselhos” e amarras da legislação, o aluno que aprendesse contabilidade poderia obter emprego de caixa, escriturário ou guarda-livros.

Nenhum comentário :

Postar um comentário