Translate

21 julho 2016

6 Princípios de Economia Comportamental

O objetivo do paper abaixo é mostrar como 6 princípios de Economia Comportamental podem ser introduzidos em cursos de introdução à economia.

Resumo:

Behavioral economics has become an important and integrated component of modern economics. Behavioral economists embrace the core principles of economics—optimization and equilibrium—and seek to develop and extend those ideas to make them more empirically accurate. Behavioral models assume that economic actors try to pick the best feasible option and those actors sometimes make mistakes. Behavioral ideas should be incorporated throughout the first-year undergraduate course. Instructors should also considering allocating a lecture (or more) to a focused discussion of behavioral concepts. We describe our approach to such a lecture, highlighting six modular principles and empirical examples that support them.
Fonte: Laibson, David and John A. List. 2015. "Principles of (Behavioral) Economics." American Economic Review, 105(5): 385-90.

Os autores definem Economia comportamental da seguinte forma: são emendas à teoria econômica tradicional. Ela melhora a análise econômica tradicional. Tanto a teoria econômica tradicional como a economica comportamental assumem que: i) as pessoas tendem a escolher a melhor opção disponível (otimização) ii) as pessoas tendem a escolher a melhor opção disponível quando interagem com outras pessoas (conceito de equilírio) iii) os modelos devem ser testados com dados (empiricismo). Apesar da Economia comportamentl ter surgido após o famoso artigo de dois psicólogos israelenses ( Daniel Kahneman and Amos Tversky) em 1979. No entanto, Adam Smith já tratava de conceitos de economia comportamental em suas obras seminais. Os autores do artigo elencam 6 princípios de economia comportamental que deveriam ser introduzidos num curso de introdução à economia.

1ª Princípio: as pessoas tendem a escolher a melhor opção, mas às vezes falham. Os erros (ou falhas) são previsíveis. Tomadores de decisão mais experientes tendem a tomar melhores decisões. Por exemplo, já foi mostrado que pessoas que tem mais experiência com cartão de crédito tendem a pagar menos tarifas. Assim, pessoas mais experientes tendem tomar decisões ótimas.

2ª Princípio: os indivíduos se importam com pontos de referência. Por exemplo, se uma pessoa entrar num casino com 200 reais. Ela avaliará suas perdas e ganhos segundo esse ponto de referência. Além disso, as perdas têm muito mais peso que os ganhos (fenômeno denominado aversão à perda). Em geral, as pessoas sofrem duas vezes mais com a perdas do que um ganho da mesma magnitude. A aversão à perda desencoraja o comércio. Assim, as pessoas evitam a realização de trocas e permanecem com seus ativos (o que é conhecido por efeito dotação ou viés de status quo). Ou seja, o indivíduo acha que as coisas que ele possui valem mais do que as outras coisas e por isso evita trocas.

3ª Princípio: as pessoas têm problemas de auto-controle. Por exemplo, as pessoas planejam trabalhar pesado, fazer dieta, exercício, poupar mais. No entanto, acabam por não concluir tais tarefas. Há um gap entre as intenções e realizações.

4ª Princípio: as pessoas se preocupam bastante com seus ganhos materias, mas nem por isso deixam de se preocupar com as intenções, ações e ganhos dos outros. Por exemplo, num jogo em que o indivíduo 1 deve definir como dividir 10 reais com o indivíduo 2. Em que caso a segunda pessoa rejeite a oferta os dois ficam sem nada. Em geral, a primeira pessoa faz uma oferta de pelo menos 2 reais,


5ª Princípio: Muitas vezes as trocas de mercado eliminam a influência de fatores psicológicos, mas mesmo assim esses fatores podem influenciar os mercados. Por exemplo, se investidores com vieses comportamentais compõem uma pequena parte do mercado, então os investidores racionais vão eliminar a influência desses vieses nos preços dos ativos. Caso contrário, as crenças dos investidores com viés terá grande influência no mercado como ocorreu na bolha de tecnologia de 2000 e na crise de 2008.

6ª Princípio: na teoria, limitar as opções das pessoas pode protegê-las de vieses cognitivos. Mas na prática, governos extremamente partenalistas são impopulares e têm um desepenho misto. Paternalismo que tem sucesso: seguridade social. Paternalismo que fracassa: proibição de bebida alcoólica, tributos sobre o açúcar.


Nenhum comentário :

Postar um comentário