Translate

05 março 2016

Ser corruptor vale a pena?

Um dos lados de um esquema de corrupção é saber se o corruptor realmente obtém benefício com o ato. Tudo leva a crer que a resposta seria positiva: afinal, o corruptor paga para obter uma vantagem sobre seus concorrentes. Se numa disputa por uma obra pública ou para ser o fornecedor preferencial de uma empresa, o corruptor efetua pagamentos para quem toma a decisão, os benefícios que consegue obter posteriormente devem compensar seu ato. Talvez seja por isto que muitos corruptores arriscam sua reputação e uma punição futura: o benefício compensa o custo.

Uma pesquisa publicada no último número da Accounting Review (vide aqui também) parece sugerir que a corrupção não traz tantos benefícios assim. O artigo ”An Analysis of Firms' Self-Reported Anticorruption Efforts”, de Paul M. Healy e George Serafeim utilizou dados da Transparência Internacional e comparou o desempenho das empresas que se esforçam para combater a corrupção e aquelas que não o fazem. Os autores descobriram que as empresas mais propensas a atos ilícitos de corrupção geralmente conseguem obter maiores vendas nos mercados altamente corruptos. Aparentemente isto seria um claro benefício da corrupção, como já era de esperar. Entretanto, quando Healy e Serafeim analisaram o desempenho global encontraram nenhuma diferença na rentabilidade.

Aparentemente o ganho advindo com a corrupção com os preços maiores e o ganho de escala não cobre os custos da corrupção.

É importante salientar, obviamente, que isto não significa que o “o crime não compensa”. Como toda pesquisa científica é necessário ter cuidado para não extrapolar as conclusões. Somente com mais evidências podemos realmente concluir que uma empresa corruptora não tem muito a ganhar com esta atitude.

Nenhum comentário :

Postar um comentário