Translate

17 março 2016

Contabilidade e Guerra

"Na frieza dos números, os contabilistas representavam os judeus como meros números nos relatórios contábeis, deixando de ter valor pessoal, cultural, físico e mental. Além disso, ao serem assassinados, os judeus perdiam seus bens para o Estado e ainda tinha que pagar pelo seu assassinato - taxa de transporte (sendo ambas operações devidamente contabilizadas pelos profissionais de Contabilidade da época" (Contabilidade para guerra, Mirella Mirtes Lins e Souza et alii, Revista Brasileira de Contabilidade, 206, p 40 a 59)

No Brasil a questão da contabilidade para guerra já foi objeto de três postagens neste blog. A fábrica de Pólvora evidenciava sua situação logo após a independência, incluindo seu estoque. A questão do estoque de armamentos era sensível ao governo e um documento de 1718 mostra esta preocupação. Uma postagem específica sobre a Fábrica de Polvora Estrella, que incluía nas demonstrações os escravos que trabalhavam na produção. 

Ao longo das minhas pesquisas tenho notado que o Ministério da Guerra tinha uma das contabilidades mais desenvolvidas durante o Império.

Voltando ao artigo, o texto é muito interessante. É pena que o CFC não disponibilize o texto, muito bom por sinal, para que todos tenham acesso ao tratamento dado pelos autores.

Nenhum comentário :

Postar um comentário