Translate

09 março 2016

Bull market



(Bloomberg) -- "Quanto as ações ainda poderão cair?", perguntava o Wall Street Journal no dia 9 de março de 2009, quando a crise financeira estava eliminando trilhões de dólares em ações dos EUA na maior queda desde a Grande Depressão.

Aquele dia, é claro, marcou o piso. O bull market que comemora seu sétimo aniversário hoje restaurou US$ 14 trilhões em valor das ações, elevando o Standard Poor's 500 Index em quase 200%.

Agora os investidores estão angustiados, mostrando pouca fé na continuidade dessa sequência. Eles temem a contração dos lucros corporativos, a desaceleração do crescimento chinês e a incerteza em relação às taxas de juros.
[...]

Contudo, se a história serve de lição, esse mesmo cinismo oferece um argumento convincente de que a sequência continuará, pelo menos pelas análises tradicionais de mercado. Os bull markets costumam morrer em meio ao excesso de otimismo, e isso não se vê em lugar nenhum.
[...]

Veja todo o dinheiro que está abandonando as ações. Os investidores retiraram quase US$ 140 bilhões dos fundos mútuos de ações e negociados em bolsa nos últimos 12 meses, mais que o dobro do pico de extrações experimentado em qualquer período comparável durante a crise financeira internacional.

Contudo, quando as pessoas sacam dinheiro, as ações tendem a subir depois, segundo dados compilados desde 1984.

Nas 12 oportunidades em que os fundos experimentaram extrações mensais que estavam a pelo menos a dois desvios-padrão da média histórica, o S&P 500 subiu uma média de 7,1% seis meses depois, contra um retorno normal de 3,9%, mostram dados compilados pela agência de notícias Bloomberg e pelo Investment Company Institute.

Até mesmo o terrível começo de 2016 mostrou como o nervosismo pode acabar jogando a favor dos otimistas. As primeiras seis semanas ofereceram o pior início de ano da história para as ações dos EUA.

No período, houve também um aumento no número de dias com oscilações de 2% em qualquer direção.

Mas uma vez que as coisas começarem a se recuperar, os pessimistas serão forçados a comprar. De 11 de fevereiro até a última segunda-feira, um índice do Goldman Sachs das empresas mais a descoberto superou o desempenho do S&P 500 em quase 16 pontos percentuais, maior aumento observado nos dados, que remontam a 2008.

A desconfiança também cria pechinchas e encoraja compradores de futuros.

Esse é o caso das ações financeiras, que lideraram a última recuperação em relação ao piso de fevereiro.

Os bancos e as seguradoras, maiores geradores de lucros do S&P 500, com US$ 228 bilhões em receita no ano passado, ainda não são muito respeitados pelos investidores depois de terem sido responsabilizados pela turbulência do mercado durante o declínio.

Em 13,6 vezes os lucros, o grupo recebeu as avaliações mais baixas entre 10 setores e foi negociado com um desconto de 24% em relação ao S&P 500.

Quando o mercado começou a se recuperar, as empresas financeiras subiram. O mesmo aconteceu com algumas das ações mais odiadas, como as das produtoras de energia e matérias-primas, que tinham sido emprestadas e vendidas em uma prática conhecida como venda a descoberto.

A compra forçada dos pessimistas, portanto, deu combustível ao ganho do S&P 500 em relação ao patamar mais baixo em 22 meses.
Fonte: Aqui

Nenhum comentário :

Postar um comentário