Translate

04 fevereiro 2016

Ciência: o que, como, por quê?


Via HypeScience:

O astrônomo Neil deGrasse Tyson é famoso, entre outras coisas, pela nova versão do programa de divulgação científica Cosmos, e tem sido uma voz a favor da ciência nos Estados Unidos.

Abaixo, você confere um texto no qual ele explica por que a ciência é importante, como ela funciona, e o que esperar dela. Ele é dirigido para o público dos Estados Unidos, mas uma boa parte é universal.

“Se você ficar selecionando as verdades científicas que servem a objetivos culturais, econômicos, religiosos ou políticos, você enfraquece as bases de uma democracia instruída.

“A ciência se destaca de todos os outros ramos de empreendimentos humanos pelo seu poder de testar e entender o comportamento da natureza em um nível que nos permite fazer previsões com precisão, e até mesmo controlar os resultados de eventos no mundo natural. A ciência em especial melhorou nossa saúde, riqueza e segurança, que é muito maior hoje para muito mais gente na Terra do que em qualquer outra época da história humana.

“O método científico, que está por trás destas conquistas, pode ser resumido em uma frase, que é tudo sobre objetividade: Faça o que for necessário para evitar auto-ilusões e pensar que algo verdadeiro não é, ou de que algo não verdadeiro é verdadeiro.

“Esta abordagem ao conhecimento não se estabeleceu até o século 17, logo depois da invenção do microscópio e do telescópio. O astrônomo Galileu e o filósofo Sir Francis Bacon concordaram: faça experiências para testar tuas hipóteses e dê à elas confiança em proporção à força da evidência. Desde então, aprendemos a não alegar ter descoberto uma nova verdade até que múltiplos pesquisadores, e em último caso, a maioria dos pesquisadores, tenham obtido resultados consistentes uns com os outros.

“Este código de conduta leva a consequências notáveis. Não há nenhuma lei contra a publicação de resultados errados ou distorcidos. Mas o custo em fazer isto é alto. Se sua pesquisa for verificada pelos seus colegas, e ninguém conseguir duplicar suas observações, a integridade de suas futuras pesquisas será posta em dúvida. Se você cometer uma fraude, como falsificar dados de propósito, e mais adiante outros pesquisadores do mesmo campo descobrirem isso, a revelação vai acabar com tua carreira.

“É assim simples.

“Este sistema interno de autorregulação na ciência pode ser único entre as profissões, e não requer o público ou a imprensa ou os políticos para funcionar. Mas ver a máquina funcionando pode ser fascinante. Basta observar o fluxo de trabalhos de pesquisa nas páginas de periódicos científicos revisados por pares. Este terreno fértil para a descoberta é, também, ocasionalmente, um campo de batalha onde a controvérsia científica é desnudada.

“A ciência descobre verdades objetivas. Elas não são estabelecidas por nenhuma autoridade, e também não por um único trabalho científico. A imprensa, ao tentar bombar uma nova história, pode levar a opinião pública ao erro sobre como a ciência funciona, colocando um trabalho recém-publicado como sendo ‘a verdade’, talvez até destacando o pedigree acadêmico dos autores. Na verdade, quando estamos lidando com a fronteira móvel do conhecimento, a verdade não foi estabelecida, então a pesquisa pode apontar para diversas direções, até que os experimentos venham a convergir em uma ou outra direção – ou até em direção nenhuma, geralmente indicando que não há fenômeno algum.

“Uma vez a verdade objetiva tenha sido estabelecida por estes métodos, ela não é mais tarde descoberta falsa. Não vamos revisitar as questões sobre se a Terra é redonda, ou se o sol é quente, ou se os humanos e chipanzés compartilham 98% do DNA, ou se o ar que respiramos é 78% nitrogênio.

“A era da ‘física moderna’, nascida na revolução quântica do início do século 20 e a revolução da relatividade aproximadamente na mesma época, não descartou as leis de Newton para o movimento e a gravidade. O que ela fez foi descrever realidades mais profundas da natureza, tornadas visíveis por métodos e ferramentas de pesquisa ainda maiores. A física moderna engloba a física clássica como um caso especial destas verdades maiores. Então as únicas vezes que a ciência não consegue chegar a verdades objetivas é na fronteira da pesquisa, antes dos consensos, e a única vez em que ela não podia fazer isso era antes do século 17, quando nossos sentidos, inadequados e distorcidos, eram as únicas ferramentas à nossa disposição para informar o que era e o que não era verdade em nosso mundo.

“Verdades objetivas existem fora da nossa percepção da realidade, como o valor do PI, E=mc², a rotação da Terra, e que o dióxido de carbono e metano são gases de efeito estufa. Estas afirmações podem ser verificadas por qualquer um, a qualquer tempo, e em qualquer lugar. E elas são verdades, você acreditando ou não.

“Entretanto, as verdades pessoais são as que você pode dar muito valor, mas que você não tem como convencer outros que discordam, exceto por discussões acaloradas, coerção ou força. São os fundamentos das opiniões da maioria das pessoas. Jesus é o salvador? Maomé é o último profeta de Deus, na Terra? O governo deve ajudar os pobres? Beyoncé é uma rainha cultural? Kirk ou Picard? Diferenças em opinião definem a diversidade cultural de uma nação, e devem ser valorizadas e preservadas em uma sociedade livre. Você não precisa gostar do casamento gay. Ninguém jamais vai te forçar a um casamento gay. Mas criar uma lei que impeça outras pessoas de fazer isso é forçar tuas verdades pessoais nos outros. Políticas que tentam forçar outros a compartilhar as tuas verdades pessoais são, nos seus limites, ditatoriais.

“Note que, na ciência, a conformidade é anátema ao sucesso. As acusações persistentes de que os cientistas estão todos concordando com os outros é de fazer rir qualquer cientista que esteja tentando progredir em sua carreira. A melhor forma de ficar famoso enquanto ainda está vivo é apresentar uma ideia que vá contra a pesquisa prevalente e que consiga obter uma consistência nas experiências e observações. Desta forma fica garantida a discordância saudável permanente quando se trabalha nos limites do conhecimento, nas descobertas.

“Em 1863, um ano em que ele tinha assuntos muito mais importantes para lidar, Abraham Lincoln, o primeiro presidente Republicano, assinou o documento que deu origem à Academia Nacional de Ciência, baseado em um Ato do Congresso. Esta academia deve fornecer conselho independente e objetivo à nação em assuntos relacionados à ciência e tecnologia.

“Hoje, outras agências governamentais com missão científica atendem a objetivos similares, incluindo a NASA, que explora o espaço e a aeronáutica; o NIST, que explora os padrões de medição científica, nos quais todas as outras medições se baseiam; o DOE, que explora a energia em todas formas usáveis; e o NOAA, que explora o clima e meteorologia da Terra.

A mulher negra e pobre que mudou a ciência para sempre (e não foi reconhecida)
“Estes centros de pesquisa, assim como outras fontes confiáveis de ciência publicada, podem empoderar políticos em formas que levem ao governo informado e esclarecido. Mas isto não vai acontecer até que as pessoas no comando, e as pessoas que votam neles, entendam como e por que a ciência funciona.” [HuffingtonPost]

Nenhum comentário :

Postar um comentário