Translate

17 agosto 2015

Finanças Pessoais: Qual é a sua motivação?

Existem infinitas variedades de metas financeiras que você pode estabelecer. Algumas podem ser voltadas para o curto prazo, como “hoje não vou gastar um centavo sequer”. Outras exigem um pouco mais de planejamento, como “quero pagar a minha dívida de R$13.743 em um ano”. Algumas exigem décadas de trabalho e dedicação, como “eu quero alcançar a independência financeira com R$ 2 milhões em ativos até 2040”. Estabelecer metas assim e se organizar para alcança-las geralmente causa mais bem do que mal. Estamos todos sujeitos ao fracasso mas quem não arrisca, não petisca, não é mesmo? Se não tentarmos, não conseguiremos.

Metas são coisas boas, mas muitas vezes fazemos as coisas sem saber o porquê. Dizem que se brasileiro vê uma fila, quer entrar. Só depois de um tempo, questiona para o que é aquela espera. Isso é comum: se ouvimos que algo nos beneficiará, vamos em frente e copiamos o comportamento sem muito que se questionar. O maior problema em se perder o “porquê” de tudo é o enfraquecimento da nossa motivação em ver um objetivo ser completado e uma meta alcançada. Nós vamos nos deparar com obstáculos e nesses momentos a justificativa é o que nos manterá motivados, nos dará foco, nos ajudará a seguir em frente, a nos superar e alcançar novos níveis.


Se você não consegue justificar bem, dizer o porquê, então provavelmente a meta não é digna dos seus esforços naquele momento.


O financista G. E. Miller defende que uma grande satisfação em se saber a justificativa de nossos motives é a satisfação alcançada a partir do momento que a meta é atingida. Sem isso, o sucesso pode parecer vazio.



“Quero cortar as minhas despesas para que eu consiga economizar mais?”

Por que?
“Para que eu possa quitar as parcelas do financiamento do meu apartamento.”
Por que?
“Para diminuir meus gastos com moradia ainda mais.”
Por que?
“Porque eu quero poder trabalhar menos horas e passar mais tempo com os meus filhos”.
Por que?
“Porque isso faz meus filhos felizes e me faz feliz também”


Ótimo.



Mas quando você começa com o porquê e termina com a meta financeira é ainda mais significativo e funciona ainda melhor.



“Eu quero uma família feliz?”
O que torna a sua família mais feliz?
“Quando passamos mais tempo juntos.”
Como vocês poderiam passar mais tempo juntos?
“Se eu trabalhasse menos horas.”
Como você poderia trabalhar menos horas?
“Limitando as minhas despesas”.
Como você pode limitar as suas despesas?
“Quitando o financiamento do meu apartamento, abrindo mão de um carro, diminuindo a conta do supermercado.”


Ainda melhor. Agora há vários meios para um fim. Sem uma motivação bem justificada, metas financeiras são apenas esforços para acumular mais dinheiro e mais coisas. E se a resposta para o questionamento for mais dinheiro e mais coisas, em algum momento você ficará insatisfeito e frustrado.

Nenhum comentário :

Postar um comentário