Translate

05 maio 2015

Não basta ser inteligente, tem que...

E aí saiu no Life Hacker (ótimo site) que para resolver problemas não basta ser inteligente. Curiosidade e empatia também contam! Acho que todo mundo sabe que não basta ser “só” inteligente pra quase nada nesse mundo, mas né...

O pessoal da Harvard Business Review (HBR) explicou que funciona mais ou menos assim: pessoas com maior nível de quociente emocional (QE) tendem a ser mais empreendedoras e são, então, mais proativas (palavra preferida em processos seletivos) ao explorar oportunidades, tomar riscos, transformar ideias criativas em inovações reais. De verdade. Sem ficar só no papel... ou  na cabeça… ou esperando alguém fazer.

Segundo os nossos amigos da HBR, o quociente de curiosidade (QC) leva a níveis mais altos de investimento intelectual e aquisição de conhecimento ao longo do tempo (“Criança que pergunta por que, vai ser esperta quando crescer”... já ouviu essa expressão?), especialmente trilhando caminhos educacionais formais. Conhecimento e especialidade, muito como a experiência, traduzem situações complexas em familiares, de forma que o QC é a melhor ferramenta quando consideramos encontrar soluções simples para problemas abstrusos.

Todos os três quocientes são importantes para “gerenciar complexidade”: o de curiosidade e o emocional, já citados, somado ao famoso quociente de inteligência (QI). Isso significa que uma mistura decente de cada um dos três irá te ajudar a entender e resolver problemas, encontrar uma solução inovadora e realmente executar as suas ideias. Tenhamos disciplina!

Ainda, se você tem carência em alguma das áreas, pode compensar ao deixar bem afiado um dos seus outros quocientes. Viu? Nada está perdido. A não ser que você só tenha um… aí eles não explicaram a solução no artigo.

Para mais, clique aqui (em inglês).

Mais sobre inteligência? Abaixo algumas ótimas postagens:

- Inteligência e música

- Inteligência contábil

- QI não é estático

- QI e riqueza



Nenhum comentário :

Postar um comentário