Translate

15 fevereiro 2013

Cinema: faturamento aumenta, originalidade cai

A sétima arte virou uma indústria que movimenta bilhões de dólares e os estúdios, atentos às leis do mercado, têm a obrigação de atrair e manter mais e mais espectadores. “Quando um filme faz sucesso e cria uma base fiel de fãs, tem grandes chances de virar franquia”, diz o diretor da Paramount no Brasil, Cesar Silva. Segundo ele, enquanto nos anos 1980 se estimava que 80% do público de um título original assistiria à sequência, hoje se trabalha com a ideia de que praticamente todo mundo irá atrás dela, o que é explorado também em pay per view e TV a cabo. “E a recepção à sequência é favorável na maioria das vezes”, diz.

Daí a extensa oferta de continuações nas últimas décadas, reflexo da dependência do modelo de negócio de Hollywood dos retornos financeiros — o que diminui o ímpeto de arriscar fora dos gêneros e temas de sucesso. O novo Duro de Matar, por exemplo, teve um orçamento estimado em US$ 100 milhões. Espera-se que ele ofereça um lucro como o do filme anterior, que teve gastos parecidos e faturou mais de US$ 380 milhões. “As possibilidades criativas acabam sendo limitadas para quem investe. Com o tempo, criou-se um domínio por um tipo de cinema que gira em torno dessa convenção, o que é reforçado pela aceitação do público”, analisa o cineasta Marcelo Lordello, representante do cinema autoral. Nesse contexto, obras independentes e que fogem do estilo hollywoodiano ficam em segundo plano, com menos verba e espaço nos circuitos comerciais. Agora, não pense que o cinema de autor, embora pressuponha maior liberdade criativa, é garantia de total originalidade. Mesmo que ele busque uma abordagem singular, é difícil escapar a modelos e referências. Outro ponto é que a qualidade da produção e o seu poder de tocar o espectador podem marcar tanto uma produção de massa quanto outra mais cabeça. “Você pode ver um filme feito num molde para agradar a todo mundo e se emocionar profundamente”, avalia o cineasta Marco Dutra, diretor da adaptação literária Quando Eu Era Vivo.

Independentemente dessa discussão, fato é que a aposta em continuações também virou realidade na indústria brasileira. Segundo a Agência Nacional de Cinema, os dois maiores sucessos de público por aqui foram Tropa de Elite 2 e Se Eu Fosse Você 2. “São histórias com um apelo popular e que ajudam a viabilizar todo o setor, em sua maior parte calcado em projetos originais”, analisa Zamberlan. Essa dinâmica de fazer a sequência de um blockbuster para arrecadar fundos a obras menos populares foi uma forma encontrada pelos próprios americanos para não ficarem tão presos ao modelo de Hollywood, em que os estúdios prestam contas a seus acionistas. “Para cada Harry Potter ou Transformers concebidos para faturar bilhões, consegue-se também investimento em filmes de nicho, com orçamento menor”, diz Marcelo Hessel, editor do site Omelete. Isso permite que, na maré de roteiros não originais, apareça vez por outra uma produção inovadora. Eventuais prejuízos são pagos pelos blockbusters.

De 1982 até 2012, dá pra ver como sequências e adaptações estão fazendo mais sucesso que filmes originais:

Editora Globo
Fonte: Box Office Mojo

Fonte: Aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário