Translate

06 dezembro 2011

Pesquisas iludem

Uma extensa reportagem no Wall Street Journal comenta sobre os prejuízos que pesquisas acadêmicas na área de saúde trazem para as empresas comerciais (Pesquisas iludem farmacêuticas e pacientes, Gautam Naik, Wall Street Journal, 4 de dez 2011). Ao anunciarem descobertas em trabalhos acadêmicos, as empresas tentam aproveitar na sua área comercial, mas muitas vezes não conseguem reproduzir os resultados. Este foi o caso de um estudo sobre uma proteína que atacava tumores cancerígenos, descoberta anunciada há dois anos. A empresa Amgen tentou reproduzir os resultados e gastou tempo e dinheiro.

A base dos artigos científicos e a capacidade de temos para reproduzir os resultados. Geralmente os orientadores recomendam a seus orientandos que indiquem claramente na metodologia como os resultados foram obtidos, para que outros pesquisadores possam replicar a pesquisa e chegar a resultado idêntico. Por este motivo, podemos dizer que a possibilidade de reproduzir o experimento é base da pesquisa científica.

Na teoria seria de esperar que os artigos publicados em periódicos pudessem ser replicados pelos avaliadores. Na prática isto é muito difícil pelo tempo necessário para fazer esta tarefa. Assim, a análise é feita baseada na confiança com que o pesquisador deveria agir. Alguns periódicos exigem que aqueles que submetem artigos coloquem sua base de dados a disposição de qualquer leitor. Isto é uma prática boa que deveria ser seguida por todos os periódicos, mas é uma exceção. Apesar desta medida reduzir a chance de que pesquisas não sejam replicadas, isto não impede a fraude.

Para as empresas comerciais a confiabilidade de uma pesquisa pode representar desperdícios de recursos quando se verifica que os resultados anunciados não são confiáveis. Parte do problema pode estar na possibilidade de que os dados podem produzir "erros estatísticos" (os chamados Erro Tipo I e Tipo II). Outras possibilidades são apresentadas no texto do WSJ:

Os cientistas têm várias teorias sobre por que duplicar resultados pode ser tão difícil. Laboratórios diferentes podem usar equipamentos ou materiais ligeiramente diferentes, levando a resultados divergentes. Quanto mais variáveis há em um experimento, mais provável é que pequenos erros não intencionais acabem fazendo as conclusões se inclinarem de uma forma ou de outra. E é claro que dados que foram manipulados, inventados ou alterados fraudulentamente não resistirão a uma futura análise. (...)
"Entre as razões mais óbvias, porém não quantificáveis, há uma competição imensa entre os laboratórios e uma pressão para publicar", escreveu Asadullah e outros da Bayer, em seu artigo de setembro. "Há também uma propensão para publicar resultados positivos, já que é mais fácil conseguir que estes sejam aceitos em boas publicações."
As publicações científicas também estão sob pressão. O número dessas revistas saltou 23% entre 2001 e 2010, segundo a Elsevier, que analisou os dados. Essa proliferação aumentou a competição até mesmo entre as revistas de elite, que podem gerar atenção publicando artigos chamativos, em geral com resultados positivos, para atender à demanda incessante dos meios de comunicação noticiosos.

Nenhum comentário :

Postar um comentário