Translate

26 fevereiro 2009

Controladoria e Controller

A seguir, dois textos, do Jornal do Commércio, explicando a função da controladoria e do controller

Foco na contenção de gastos
20/02/2009 - Jornal do Commércio do Rio de Janeiro

Richard Andersen é controller da empresa Shire HGT Brasil e conta que a profissão demanda a capacidade de interrelacionar aspectos das diferenças áreas gerenciadas, como contabilidade, fiscal, tesouraria e orçamento. "Após os escândalos financeiros de 2001/2002 (WorldCom, Enron, etc), as profissões de controller e de contador sofreram uma grande valorização, ao mesmo tempo em que passaram a ser requeridas outras habilidades que antes e-ram tidas como secundárias em algumas empresas, como fortalecimento do ambiente de controle interno, entendimento do processo de preparação e revisão das informações financeiras, entre outros. Por exemplo, no contexto econômico atual, está sendo exigido do controller cada vez mais iniciativas visando a redução e controle de gastos", destaca.

Andersen destaca que é primordial que o profissional mantenha-se atualizado com as ferramentas tecnológicas, pronunciamentos contábeis, legislação fiscal e produtos bancários e as melhores práticas de compliance e controles internos. "Além disso, deve possuir sólidos conhecimentos de boas práticas de governança corporativa". A fluência em outros idiomas é mais do que requerida, sobretudo no inglês e espanhol.

Segundo Andersen, deve-se adquirir conhecimento em IFRS, ou princípios contábeis internacionais, os quais já vêm sendo adotados por diversos países e pode tornar-se a linguagem contábil global. "Vale a pena destacar também o conhecimento sobre a legislação tributária brasileira, pois devido a sua alta complexidade, existem inúmeras oportunidades de ganhos fiscais advindos de iniciativas de planejamento tributário", ressalta.

Para Ronaldo Carvalho, ex controller e atual diretor geral do Grupo Consenso, a função de controller, quando reconhecida pela organização, é gratificante, principalmente quando se atua estrategicamente, seja no planejamento ou na execução. "Atualmente, o controller deve ter visão de negócio, apagar o rótulo de ser apenas o profissional que controla o que já aconteceu. Seguramente, nos últimos dez anos de minha carreira 50% do meu tempo foi dedicado à área comercial, pois as empresas, principalmente na área de serviços, envolve o controller para que, juntamente com compras, avalie os efeitos tributários, com terceirização, por e-xemplo. O objetivo é a redução de custo, por preço ou por foco na atividade principal", conta.


De olho no caixa
VIVIANE FAVER
Jornal do Commércio do Rio de Janeiro – 20/2/2009

Nem todos os profissionais estão sendo afetados negativamente pela crise. Aqueles envolvidos com os meandros da gestão financeira das organizações, por exemplo, vivem um período de forte valorização. Uma pesquisa da consultoria Robert Half constatou que 30% dos executivos de finanças têm a intenção de aumentar suas esquipes em 2009. Os controllers, profissionais que antes tinham pouca visibilidade e estão ganhando importância.

O controller, dentro da eestrutura organizacional das empresas, desempenha a função de controlar e organizar as contas da empresa, reportando dados relevantes revelados pela contabilidade e exercendo influência no sentido de induzir os gerentes a decisões lógicas e consistentes.

Para além das tarefas contábeis, esse profissional acaba se tornando o responsável pelo projeto, implementação e manutenção de um sistema integrado de informações, que operacionaliza a contabilidade e a quitação das responsabilidades da empresa.

Para melhor exercer suas funções, o profissional tem que ter a confiança dos diversos setores da empresa quanto ao cumprimento dos prazos na divulgação regular das informações, bem como à confiabilidade dos números e informações apresentados.

De acordo com Odair Bobbio, controller da General Eletric, a transformação da informação em um ativo valioso, fundamental para a tomada de decisão dos negócios de uma empresa levou à valorização da profissão, num processo que tomou corpo a partir da década de 90.

"O controller tem que ter credibilidade. Sua obrigação principal é a de assegurar que a empresa utilize os métodos contábeis conformes com os padrões exigidos pelas autoridades, bem como buscar a maior transparência dos dados para os diversos públicos", destaca Bobbio.

Em períodos de turbulência, o foco da atuação está em proteger os ativos da empresa e prover informações que apontem possibilidades para manter a organização tão segura quanto possível e capitalizada, com um sistema eficiente de monitoramento diário do caixa.

sem desperdício. Segundo o consultor e diretor executivo do Grupo Soma, Arlindo Felipe Junior, cabe sobretudo ao controller não deixar haver desperdícios na operação da empresa. "O papel dele é racionalizar os processos no que se refere a custos, e descobrir como deixar a empresa mais leve", conta.

Os melhores profissionais nessa área buscam, além da formação na área contábil, cursos de Economia. "É papel dele saber de que área está vindo o resultado. Por isso, a formação em Economia é fundamental para obter uma visão mais ampla do ambiente de negócios", ressalta o consultor.

Dentro da empresa, o controller busca uma postura pró-ativa, sempre em busca das melhores práticas. Além do monitoramento diário, o profissional deve pensar de forma prospectiva. Faz parte do aprimoramento desses profissionais cursos na área de gestão de risco.

Justamente nesse momento de crise, gerir risco é um requisito essencial para qualquer profissional da área. "Agora mais do que nunca, o controller está em alta. Ele se torna necessário para achar soluções para empresa diante dessa crise. É um ótimo momento para investir na profissão", afirma Felipe Junior. Uma pesquisa da consultoria Ricardo Xavier apontou que, em janeiro, foram abertas 288 vagas na área, um crescimento de 60% em relação a dezembro.

Um comentário :

  1. Ao longo de minhas atividades, na área de contabilidade, pude em algumas oportunidades, utilizando ferramentas da economia, (break Evem Pointe) desenvolver através de uma contabilidade gerencial reunir informações, produzindo relatórios onde projetava as necessidades de vendas por áreas de arividadas e até mesmo por produtos para atingir um nível satisfatório de vendas e lucro. Isso porém incomodava aos Gerentes e Diretores de Vendas. Porém, um contador que não se limita a contabilidade pura e simples e se integra nas atividade da empresa, e procura novos conhecimentos, capacita-se para proteger a empresa tanto financeiramente e tribuáriamento, quanto para lucratividade. Foi, é, ainda é díficil tal desempenho, porque incomada. O velho contador ainda é visto como guarda-livros.

    ResponderExcluir